Postado em 04 de Junho às 08h41

Riscos de consumir álcool na gravidez

Saúde (83)

Estudo aponta escassez de evidências sobre possíveis danos fetais causados pelo baixo consumo de álcool por mulheres grávidas. Especialistas chamam a atenção para falta de pesquisas sobre o assunto.

Ao mesmo tempo que há uma grande conscientização sobre a chamada síndrome do alcoolismo fetal – danos fetais em caso de ingestão de bebidas alcoólicas pela mãe durante a gravidez –, não se sabe ao certo se o álcool deveria ser completamente vetado ou se há um limite seguro para o consumo durante a gestação.

Em artigo publicando em Setembro de 2017, pelo periódico científico britânico BMJ Journal, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Bristol afirma ter encontrado um número "surpreendentemente limitado" de estudos sobre o baixo consumo de álcool durante a gravidez e "escassez de evidências" sobre possíveis danos fetais.

Segundo os autores, até 80% das mulheres no Reino Unido, Nova Zelândia e Austrália consomem alguma bebida alcoólica durante a gravidez. O Serviço Britânico de Aconselhamento sobre a Gravidez pediu que as autoridades não "exagerem sobre os risco de consumir pequenas quantidades de álcool" durante a gestação.

O estudo divulgado, baseado em 26 pesquisas sobre o assunto, afirma que foram encontradas evidências de que consumir até quatro unidades de álcool por semana pode estar associado a um risco mais alto de que o bebê venha a nascer em tamanho menor ou prematuramente. No entanto, os pesquisadores afirmam que os dados não são conclusivos.

"Ficamos surpresos com o fato de esse tema tão importante não ter sido pesquisado tão amplamente quanto esperávamos", afirmou Loubaba Mamluk, da Faculdade de Medicina Social e Comunitária da Universidade de Bristol.

"Na falta de provas mais contundentes, a recomendação às mulheres de se manterem longe do álcool durante a gravidez deve ser mantida como medida de precaução, sendo a opção mais segura", afirmou.

No entanto, mulheres que beberam pequenas quantidades de álcool durante a gravidez, talvez inadvertidamente, "devem ser asseguradas de que é muito pouco provável que tenham causado danos consideráveis a seus bebês", afirmam os pesquisadores.

Ainda que não esclareça a questão, a pesquisa chama a atenção para a falta de evidências dos danos causados pelo álcool em fetos.

Fonte: G1

Veja também

Juntos contra a Dengue!03/03/16 A QuantyVitta também apoia o combate e a prevenção da dengue. Vamos juntos lutar para combater o mosquito transmissor da doença. Segundo o site Dengue.org, “a melhor forma de se evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Para isso, é importante......
A relevância da Alimentação para uma vida saudável16/10/17 Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, na última década o aumento de obesidade e diabetes foi de 60% e 61%, respectivamente. Criado na década de 1940, o Dia Mundial da Alimentação é......
É melhor correr na esteira ou ao ar livre?!28/01/16 Se você faz parte da turma que deseja se exercitar neste ano, correr é uma alternativa democrática e barata. Mas será que é melhor fazer a atividade ao ar livre, enfrentando vento e chuva, ou se exercitar na esteira, enquanto......

Voltar para (NOTÍCIAS)