Postado em 23 de Julho de 2018 às 14h41

Tempere sua comida... com som!

Bem-estar (51)
Dr. Bem Estar - Seu Portal de Saúde! Estudos mostram que a audição interfere diretamente no paladar. Que tal tornar seu chocolate mais doce com o auxílio de uma música tocada ao piano? Ou utilizar sons graves...

Estudos mostram que a audição interfere diretamente no paladar. Que tal tornar seu chocolate mais doce com o auxílio de uma música tocada ao piano? Ou utilizar sons graves para enfatizar o corpo e as notas mais amargas de um vinho? A influência do som sobre nosso paladar é o ingrediente mais recente no estudo dessa experiência complexa e multissensorial que é a percepção de sabores.

Já estamos familiarizados com a ideia de que visão, tato e olfato exercem papeis importantes nesse sentido. Quando estamos com o nariz entupido, por exemplo, temos a impressão de que a comida “perde” o gosto, justamente por que o cheiro é peça-chave do sabor. Também é fácil entender o papel da visão: estamos mais inclinados a apreciar um prato visualmente atraente do que uma comida cuja cor ou formato gere repulsa.

Estudos mostram que até a cor do recipiente afeta como recebemos um alimento ou bebida. O tato também é praticamente indissociável da experiência gustativa – boa parte do prazer que sentimos ao experimentar uma comida pode vir de sua cremosidade ou temperatura.

Mas e quanto à audição? O papel dela nessa receita começou a ser estudado mais recentemente, e um dos nomes à frente dessa nova área de estudos é Charles Spence, fundador do Oxford University’s Crossmodal Research Laboratory e professor de psicologia experimental na mesma universidade.

Na mais recente edição do Wired Festival, realizado no início de dezembro, no Rio, ele apresentou à plateia suas investigações em torno da gastrofísica – termo que remete à junção de gastronomia e psicofísica, com o intuito de desvendar todos os fatores envolvidos na percepção de um sabor.

Em um dos estudos conduzidos por Spence, 20 pessoas foram convidadas a provar e tecer comentários sobre um bolinho (conhecido como cinder toffee no Reino Unido) enquanto ouviam diferentes músicas. A análise das respostas mostrou que a música escolhida para acentuar a doçura do bolinho de fato teve esse impacto, enquanto a outra, com sons associados a amargor, fez com que os participantes avaliassem o bolinho como amargo.

Em outra pesquisa, Spence mostrou que o ruído durante uma viagem de avião faz com que nossa capacidade de sentir sabores seja significativamente reduzida, de modo geral. Porém, o barulho ao longo do voo não afeta a habilidade de perceber o umami (considerado o quinto gosto básico do paladar humano, ao lado do doce, do azedo, do salgado e do amargo). O umami tem o poder de intensificar o sabor de uma comida, e está presente, por exemplo, em cogumelos, tomates e chá verde.

Fonte: Época

Veja também

Outubro Rosa05/10/17 Uma campanha mundial chamada Outubro Rosa, surgida em 1985 através de uma parceria entre o American Cancer Society, empresas e organizações, acontece todos os anos especialmente no mês de outubro e visa conscientizar a população feminina, mas também a sociedade em geral, sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do......
Meditação pode ajudar na concentração de pessoas ansiosas08/06/17 Dez minutos diários de meditação podem melhorar o foco entre os pacientes com ansiedade, de acordo com um estudo publicado na revista Consciousness and Cognition. O estudo envolveu 82 pessoas com ansiedade. Os participantes foram......
BioResfrin, o aconchego e conforto do chá da vovó03/07 Todo mundo tem uma avó que é especialista em ervas e chás para todo tipo de problema, não é mesmo? E receitas e dicas de vó são tudo de bom. Super fáceis e práticas, com gostinho de infância......

Voltar para (NOTÍCIAS)